Bill Gates: a aula tradicional está morta

Será a Internet capaz de relegar os professores universitários ao lixo da história?

Não totalmente, de acordo com Bill Gates. Mas um componente importante de seus trabalho, a aula tradicional, pode tornar-se irrelevante com os estudantes começando a usar mais as alternativas na Internet.

Os alunos usarão mais a Internet para iniciar a aprendizagem a partir dos ambientes online de ensino de grandes “marcas” como o MIT ou a Universidade da Califórnia, transformando a performance ao vivo em algo como a indústria da música, onde a maioria das músicas é consumida em forma de pré-gravada ( e em playback).

Gates também disse que a existência de um assistente pessoal, que a Microsoft originalmente chamou de “Microsoft Bob” – não morreu. Steve Ballmer deu a entender, que a Microsoft trabalha em um produto muito parecido com o Google Now.

“Estamos no início de algo muito profundo”, disse Gates, em seu discurso, nesta segunda-feira, 15/7, na Microsoft Research Faculty Summit 2013.

Gates começou a se desligar do cargo de CEO da Microsoft em julho de 2008, para se dedicar à Fundação Bill e Melinda Gates, dedicada a resolver alguns dos maiores problemas da humanidade na área da saúde e educação, principalmente. No entanto, ainda permanece como presidente e como conselheiro de Steve Ballmer, atual CEO da Microsoft, que acaba de anunciar uma grande reorganização operacional na empresa.

Gates tem sido um defensor do uso de tecnologia para resolver os problemas do mundo, e de soluções como os serviços de educação online oferecidos por Salman Khan na Khan Academy .

Em sua fala na Microsoft Research Faculty Summit o fundador da Microsoft lembrou, porém, que os problemas enfrentados pelos países pobres em todo o mundo, muitas vezes se estendem para diversas áreas. Por exemplo, segundo ele, a média de QI na África sub-sahariana é de 82. “Isso não é genética, é resultado de doenças”, afirmou. As crianças que estão doentes simplesmente não se desenvolvem como os seus homólogos nos países mais ricos.

Por causa de empresas como a Academia Khan, Gates vê as aulas tradicionais cada vez mais como a música gravada, onde as “performances” dos professores ocorrem em grupos de estudos menores, possibilitando medir e influenciar cada aluno mais diretamente.

Da mesma forma, Gates disse que vê o conhecimento derivado de uma faculdade ou universidade “descolado” em si do diploma, simplesmente porque está disponível a partir de uma variedade de fontes.

Pergunte ao bilionário

Gates também respondeu a perguntas da plateia depois de sua palestra. Algumas das respostas mais interessantes estão resumidas abaixo.

Software livre versus patenteado e pago: Gates foi perguntado se ele vê qualquer conflito no modelo de software pago, patenteável, que ajudou a fundar e o movimento do software livre, adotado pela necessidade dos países mais pobres. Gates disse que ele não.

 “Agradeço a Deus pelo software comercial”, disse Gates. “É gerador de receitas para pagar salários, dá emprego às pessoas, coisas terríveis como isso.”

“Agradeço a Deus pelo software livre”, acrescentou Gates. “Dá às pessoas algo para brincar e construir ao redor.”

Gates disse que “nunca esbarrou em problemas [de propriedade intelectual] “em seu trabalho de base”, nem uma única vez.” E isso, em parte, porque nos países mais pobres, onde sua fundação atua, ninguém está se preocupando em apresentar patentes. “

Conhecimento genérico ou específico: Existe uma necessidade de conhecimento especializado, ou uma educação que se estende por várias disciplinas? Como a própria filha de Gates se aproxima da idade da faculdade, é uma questão sobre a qual ele tem pensado bastante, disse. Em suma, Gates acredita que os líderes de amanhã serão polímatas, integrando conhecimentos de diversas áreas, mas que ele ainda acredita em uma educação especializada. “Sou um grande crente que deve haver um ou dois assuntos que você deve saber de uma maneira muito profunda.”

Tecnologia wearable na educação: fazer dispositivos de computação vestível tem algum futuro na educação? Gates parecia um pouco confuso. “Bem, ela vai ajudar a nos enganar, eu acho”, disse Gates. Mas vê um futuro para os computadores vestíveis não apenas na educação.

Gates disse que a noção de um “agente pessoal” era atraente em 1995, quando a Microsoft lançou o Microsoft Bob , e ainda mais atraente agora.

“Eu acho que ele vai ressurgir, só que com uma sofisticação mais profunda”, disse Gates. “Nós estávamos apenas um pouco à frente do nosso tempo, como a maioria dos nossos erros.”

Fonte: IDGNow

André Quintão

Está à frente de vários projetos sociais, desenvolvendo sempre novas ideias para auxiliar pais e mestres na educação de jovens e crianças em todo Brasil. Autor do livro “Pai Real no Mundo Virtual”

2 comentários em “Bill Gates: a aula tradicional está morta

  • 12 de agosto de 2013 em 06:34
    Permalink

    Sou psicopedagoga e gostaria de receber informações sobre novas ideias para auxiliar na educação de jovens e crianças. Vejo que a educação precisa da ajuda da tecnologia para avançar o processo. Não podemos ficar presos aos moldes antigos.

    Resposta
    • 12 de agosto de 2013 em 09:05
      Permalink

      Olá Rosa,
      Hoje o ensino somado com as novas tecnologias disponíveis, trazem um sinergia muito interessante para essa nova forma de aprender.
      Espero que possamos ajudar a novas descobertas e que aprendamos juntos.
      Forte abraço.
      André Quintão.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *