Internet deixa jovens mais propensos a participar de questões políticas

Uma pesquisa do Instituto de Recursos Humanos da Califórnia mostrou que a internet está deixando os jovens mais engajados socialmente. De acordo com os resultados do estudo, os jovens que usam a web para fazer pesquisas ou procurar conteúdos relacionados ao seu interesse estão mais propensos a se tornarem cidadãos envolvidos em questões civis e políticas. Além disso, o estudo mostrou que usuários de internet mais assíduos tendem a entrar em contato com maior número de posições e partidos políticos diferentes.

Os pesquisadores entrevistaram 2.500 jovens de etnias e classes sociais diferentes, distribuídos por escolas em 19 distritos na Califórnia (EUA). Além disso, acompanharam a interação de 400 estudantes com a web por mais de três anos.

Para chegar à conclusão, foram considerados a frequência com que jovens publicavam opiniões políticas em blogs e redes sociais. Também foram contabilizados a quantidade de e-mails e mensagens destinados a organizações que defendem algum tipo de ideologia ou reforma social.

“A participação dos jovens nas novas mídias acontece de inúmeras formas. Esse hábito foi crucial para dar suporte aos protestos”, disse Joe Kahne, um dos autores da pesquisa, em menção aos recentes acontecimentos no Oriente Médio e no Norte da África. “Muitos jovens não estão entrosados com a forma tradicional de engajamento político ou civil, mas estão bastante inteirados com as novas mídias. Em resumo, o estudo mostra que existem maneiras de utilizar essas plataformas para encorajar o engajamento desses jovens”, alega Kahne.

Os resultados contrariam correntes de pesquisadores que dizem que quanto mais tempo o jovem passa conectado em comunidades online, mais ele tende a ser isolado socialmente. O tempo médio conectado na web é maior entre os que realizam algum tipo de trabalho voluntário e participam de manifestações civis.

Outro mito contestado pelos pesquisadores é o de que jovens na internet tendem a procurar conteúdos apenas sobre uma ideologia política, ignorando as demais. Apenas 5% dos entrevistados disseram que entraram em contato apenas com as posições políticas que concordam.

“Tornar-se parte de uma comunidade que discute interesses em comum, seja ela política ou não, expõe o jovem a pontos de vista diversos e problemas. Além disso, ele entra em contato com diferentes graus de engajamento. Isso é muito saudável para a democracia”, explica o pesquisador.

André Quintão

Está à frente de vários projetos sociais, desenvolvendo sempre novas ideias para auxiliar pais e mestres na educação de jovens e crianças em todo Brasil. Autor do livro “Pai Real no Mundo Virtual”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *